Chocolate: mocinho ou vilão?

Chocolate: mocinho ou vilão?

Quando se fala em chocolate, muitas pessoas já sentem a boca salivar e pensam na sensação prazerosa de comer essa iguaria que derrete aos poucos, enquanto já se preparam para a próxima mordida… Pois saiba que esse todo esse prazer pode ter um custo alto. Mas afinal, chocolate é um mocinho ou vilão para a nossa dieta e nossa saúde? Especialistas defendem que tudo depende da quantidade de chocolate que consumimos!

Com a Páscoa se aproximando, a tentação aumenta e desafia a nossa vontade, mas é preciso cuidado! Exercite o autocontrole para não devorar um grande ovo de chocolate ao leite que possui, além de muitas calorias, altíssimas doses de açúcares e gorduras nada saudáveis.

Mas nem tudo está perdido. Consumir chocolate amargo com, no mínimo, 60% de cacau, melhora o fluxo arterial e faz bem à saúde cardiovascular por diminuir a tendência de coagulação das plaquetas e de obstrução dos vasos sanguíneos. Ajuda também a diminuir os níveis de LDL (colesterol ruim) e aumenta a sensação de bem-estar porque eleva a produção de substâncias como a endorfina e a dopamina, responsáveis pelo relaxamento.

Todos esses benefícios acontecem porque o cacau contém bioativos que são oxidantes. E antes de se esbaldar em grandes quantidades de chocolate amargo, atenção! A recomendação médica é que um adulto saudável, ativo e sem problemas com a balança, ingira entre 25 e 50g de chocolate diariamente. Para crianças, a quantidade é um pouco menor, 15g por dia.

Fonte: Terra, Minha Vida