fbpx

Saiba o que é medula óssea, e como se tornar um doador e poder salvar vidas.

A medula óssea é um tecido esponjoso encontrado no interior dos ossos, principalmente nos ossos longos e nas vértebras. 

Ela desempenha um papel fundamental na produção de células sanguíneas e é essencial para o funcionamento do sistema hematopoiético, que é responsável pela formação de células do sangue.

Existem dois tipos principais de medula óssea, sendo que: 

A medula óssea vermelha é responsável pela produção de células sanguíneas, incluindo glóbulos vermelhos (eritrócitos), glóbulos brancos (leucócitos) e plaquetas. 

Sua concentração é abundante em ossos como os da bacia, esterno, costelas e coluna vertebral.

E a medula óssea amarela. Acontece que, à medida que envelhecemos, parte da medula óssea vermelha é substituída pela amarela, que consiste principalmente em células de gordura. 

No entanto, a medula óssea amarela ainda retém alguma capacidade de produção de células sanguíneas em situações de necessidade, como em casos de lesões ou doenças.

O transplante é geralmente considerado como um tratamento, quando há problemas graves na medula óssea, interferindo na produção normal de células sanguíneas. 

Algumas condições em que um transplante de medula óssea pode ser indicado incluem:

  • tipos agressivos de leucemia, como leucemia mieloide aguda (LMA) e leucemia linfoblástica aguda (LLA), especialmente em casos de recorrência após tratamento convencional; 
  • alguns tipos de linfoma, como linfoma Hodgkin e linfoma não Hodgkin; 
  • o mieloma múltiplo, um câncer das células plasmáticas na medula óssea; 
  • algumas formas graves de anemia aplásica, em que a medula óssea não produz células sanguíneas em quantidade suficiente; 
  • algumas doenças genéticas, como anemia falciforme, talassemia e imunodeficiências congênitas; 
  • distúrbios autoimunes graves, como esclerose sistêmica, podem ser tratados com transplante de medula óssea; e 
  • em alguns casos, quando o tratamento convencional não foi eficaz ou houve recorrência da doença após o tratamento inicial.

Antes de recomendar um transplante de medula óssea, os médicos avaliam vários fatores, incluindo o tipo específico de doença, o estágio da doença, a idade e a saúde geral do paciente. 

O procedimento, em si, é complexo e envolve a substituição da medula óssea doente por células saudáveis de um doador compatível ou, em alguns casos, do próprio paciente após tratamento da medula óssea.

É importante destacar que o transplante de medula óssea é um procedimento sério, com riscos e complicações associados, e a decisão de realizar o transplante é tomada cuidadosamente, e em conjunto, entre o paciente, equipe médica e, quando aplicável, o doador.

 

Quem pode doar medula óssea? 

A doação de medula óssea é um ato voluntário e altruísta que pode salvar vidas.

Qualquer pessoa saudável que atenda aos critérios de elegibilidade pode se tornar um doador de medula óssea. 

Alguns critérios básicos para doar medula óssea são: 

  • A maioria dos programas de doação de medula óssea aceita doadores entre 18 e 60 anos. No entanto, as regras podem variar entre os países e organizações.
  • O doador deve estar em boa saúde geral e não deve ter condições médicas graves.
  • Doadores não devem ter doenças infecciosas transmitidas pelo sangue, como HIV ou hepatite.
  • A compatibilidade entre o doador e o receptor é um fator crítico. Geralmente, os membros da família têm maior probabilidade de serem compatíveis, mas muitas doações ocorrem entre doadores não relacionados.

 

Você quer ser um doador de medula óssea? 

Para ser um doador de medula óssea é preciso se registar em um banco de dados de doadores. 

Em muitos países, isso pode ser feito por meio de registros nacionais ou organizações especializadas.

Após o registro, os doadores fornecem uma pequena amostra de sangue para análise de seu tipo de tecido e informações genéticas. 

Essas informações são usadas para determinar a compatibilidade com pacientes que precisam de transplante.

Os doadores ficam no banco de dados até serem identificados como compatíveis com um paciente que precisa de um transplante.

Se um doador for identificado como compatível, ele será contatado e, se concordar em seguir adiante, passará por exames adicionais para garantir que a doação seja segura para ele e para o paciente receptor.

Existem duas maneiras principais de coletar células da medula óssea: aspiração da medula óssea a partir da parte posterior do quadril, ou através da coleta de células-tronco do sangue periférico. O método escolhido depende das necessidades do paciente.

A maioria dos doadores se recupera completamente após a doação. A medula óssea se regenera naturalmente e o corpo volta ao seu estado normal.

É importante destacar que ser um doador de medula óssea é um compromisso significativo, e as decisões devem ser tomadas com informação adequada e compreensão do processo. 

Os bancos de dados de doadores de medula óssea estão interconectados globalmente, permitindo a busca por doadores compatíveis em todo o mundo. 

Participar como doador é uma maneira valiosa de contribuir para a saúde e o bem-estar de outras pessoas.

 

Qualquer pessoa pode precisar de um transplante de medula óssea 

Pessoas de todas as idades podem, potencialmente, receber um transplante de medula óssea, dependendo da situação clínica específica e das condições de saúde do paciente.

No entanto, a elegibilidade para um transplante de medula óssea é determinada por diversos fatores, e a decisão é tomada caso a caso, considerando a idade, o estado de saúde geral e a natureza da doença.

Alguns pontos a serem considerados incluem:

  • a saúde geral do paciente, onde pessoas idosas ou muito debilitadas podem enfrentar desafios maiores durante o processo de transplante, e a avaliação cuidadosa é necessária para garantir que o benefício potencial supere os riscos.
  • o tipo de doença para a qual o transplante é considerado, pois algumas respondem melhor ao transplante em estágios específicos, e a natureza agressiva ou crônica da doença pode ser determinante; 
  • a disponibilidade de doadores compatíveis; 
  • a infraestrutura médica disponível para realizar o procedimento com segurança e fornecer o suporte necessário, durante a recuperação, também é considerada.

É importante destacar que os avanços contínuos na medicina têm ampliado as possibilidades de transplantes de medula óssea em diversas faixas etárias. 

Crianças, adultos e idosos têm recebido transplantes bem-sucedidos, dependendo das circunstâncias específicas.

A equipe médica responsável considerará vários fatores para determinar a adequação do procedimento para cada paciente.

 

Hematopoiese 

A produção de células sanguíneas na medula óssea é um processo complexo conhecido como hematopoiese. 

As células sanguíneas produzidas incluem:

  • Glóbulos vermelhos (eritrócitos) – responsáveis pelo transporte de oxigênio para os tecidos e remoção de dióxido de carbono.
  • Glóbulos brancos (leucócitos) – componentes do sistema imunológico, que combatem infecções e protegem o organismo contra patógenos.
  • Plaquetas – fragmentos celulares envolvidos na coagulação do sangue para evitar sangramentos excessivos.

A medula óssea é vital para a homeostase do organismo, garantindo uma produção adequada e equilibrada de células sanguíneas ao longo da vida. 

Ela desempenha um papel crítico em processos fisiológicos essenciais para a saúde e a resposta imunológica.

 

Fontes: Biblioteca Virtual em Saúde; Associação de Medula Óssea; Redome; MSD Manuals; Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia; e Hospital 9 de Julho.