fbpx
DESMISTIFICANDO A FIBROMIALGIA

DESMISTIFICANDO A FIBROMIALGIA

 

 

Um abraço, mesmo o mais carinhoso, pode se tornar um contato dolorido para quem sofre de fibromialgia.

A síndrome, que atinge 3% da população, na sua maioria mulheres, segundo a Sociedade Brasileira de Reumatologia, se manifesta por dores em várias partes do corpo, entre outros sintomas, como fadiga e distúrbios do sono.

Ao contrário do que muitos pregam em relação à fibromialgia, ela não se trata de uma doença psicológica, ou imaginária, apesar de as causas ainda não serem consenso entre os especialistas. O que se sabe é que o cérebro recebe sinais de que há algo errado com o corpo e concentra energias em corrigir esse erro. Só que o sinal é falso, pois na realidade, não existe nenhuma fratura ou inflamação que possa ser responsável por essas dores.

A fibromialgia pode ser desencadeada por algum trauma físico, psicológico ou infecção grave e, para efeitos de exames, os reumatologistas analisam algumas partes específicas do corpo onde as dores são mais frequentes, são
elas: joelhos, cotovelos, nádegas, bacia e coluna.

Além das dores, como já citado, a fibromialgia também pode tirar o sono, sintoma encontrado em 95% dos casos, segundo a SBR. Mesmo com várias horas de sono, as pessoas acordam cansadas e sem disposição. Também presente em 50% dos casos, está a depressão, que precisa ser tratada, já que os quadros depressivos aumentam ainda mais a insônia, a sensibilidade do corpo e a disposição para práticas esportivas.

Aliás, são os esportes os principais aliados no tratamento da fibromialgia, juntos com terapias complementares, como psicoterapia e fisioterapia. Entre as práticas mais indicadas estão ciclismo, natação, caminhadas, musculação, pilates e yoga. O importante é encontrar a prática que mais se identifica e fazer o corpo produzir endorfina que atua como analgésicos naturais, diminuindo as dores e a rigidez muscular.

Se você sente dores com frequência e sem nenhum motivo aparente, procure ajuda médica. Viver com saúde é viver com qualidade de vida, disposição e bem-estar.

Fonte: Sociedade Brasileira de Reumatologia