Hábitos saudáveis são fundamentais  para a prevenção e o tratamento do diabetes

Hábitos saudáveis são fundamentais para a prevenção e o tratamento do diabetes

O diabetes é uma síndrome metabólica que acontece pela falta de insulina no organismo, ou, quando essa insulina não consegue desenvolver seus efeitos, o que causa o aumento da glicose no sangue, popularmente chamada de açúcar.

O pâncreas é o órgão responsável pela produção da insulina.

O papel da insulina é reduzir a glicemia, e o açúcar presente no sangue vai para as células, se transformando em energia.

Quando esse processo não acontece da forma adequada, o nível de glicose sobe, causando o diabetes.

 

Tipos

O diabetes é dividido em tipos específicos, confira.

Tipo 1 – na maioria das vezes aparece já na infância ou adolescência, mas adultos também podem apresentar.

Ocorre basicamente pelo ataque do sistema imunológico as células beta, fazendo com que a insulina não seja liberada para o corpo, ou o volume liberado não é o suficiente. Estima-se que entre 5% e 10% das pessoas com diabetes, se enquadram nesse tipo.

Tipo 2 – Aqui estão cerca de 90% das pessoas que apresentam a doença. Esses casos são mais comuns na fase adulta, embora crianças e adolescentes também possam ter. Aqui, o diabetes ocorre quando o organismo não consegue usar adequadamente a insulina que produz, ou a produção não é suficiente.

Em todo o mundo, a maioria dos casos da doença tipo2 estão associados com a obesidade e sedentarismo.

Gestacional – como o próprio nome sugere, acontece quando a mulher está grávida. É preciso um acompanhamento médico correto, pois o excesso de glicose pode levar risco ao bebê. Ele acontece porque nessa fase são registradas mudanças hormonais no corpo da mulher, podendo reduzir a ação da insulina.

Pré-diabetes – existe também o estágio intermediário, quando a pessoa pode se tornar diabético. O chamado pré-diabetes é quando os níveis de glicose no sangue estão mais altos do que o normal, mas ainda não pode ser considerado um diabetes tipo2. Em geral, 50% das pessoas nessa etapa, acabam se tornando diabéticos, por isso é importante reverter o quadro nessa fase.

É importante ressalta que o diabetes não é contagioso. O que acontece é que, no caso do diabetes tipo1 existe uma propensão genética para a doença.

 

Sintomas e Diagnóstico

Nem sempre o diabetes apresenta sintomas, mas é importante ficar atento a alguns, que podem indicar a alta taxa de glicose no sangue.

  •   vontade frequente de urinar
  •   fome e sede excessivas
  •   emagrecimento sem causa identificada
  •   fraqueza, fadiga, náuseas e vômito
  •   machucados que demoram para cicatrizar e
  •   visão embaçada/turva.

 

Um exame simples, de sangue, é capaz de apontar as taxas com segurança.

Os valores de referência ideal, para o exame feito em jejum, é de 70 a 99 miligramas de glicose por decilitro de sangue (mg/dL).

Taxas entre 100 mg/dL e 125 mg/dL devem ser melhor investigadas.

Quando as taxas ultrapassam 140 mg/dL merecem cuidado e podem indicar diabetes.

É importante falar sempre com o seu médico, para que ele possa avaliar seu histórico de saúde e, sendo necessário, pedir exames complementares ou indicar o tratamento mais adequado.

 

Prevenção e Tratamento

A prevenção do diabetes, especialmente o tipo2, está diretamente ligada aos hábitos saudáveis.

Por isso, mantenha uma alimentação equilibrada, rica em verduras e legumes, deixando de lado gorduras saturadas e grandes quantidades de carboidratos. Mantenha o seu corpo em movimento, praticando exercícios de forma rotineira. Essa combinação irá ajudar no controle do peso corporal.

Cuidado com a ingestão de bebidas alcoólicas e deixe o tabagismo. E não se esqueça de fazer exames preventivos e visitar o seu médico rotineiramente.

O diabetes, sendo tratado adequadamente, garante que a pessoa possa ter qualidade de vida. O tratamento tem como principal objetivo controlar a glicose presente no sangue, sem que ela suba, ou desça, demais.

Pessoas com diabetes tipo1 fazem uso de insulina diariamente. A quantidade de doses, que são injetáveis, variam de acordo com as particularidades de cada organismo.

Em alguns casos, podem ser aliados medicamentos orais.

Nos casos de diabetes tipo2, em geral, são indicados medicamentos, além de mudanças de hábitos alimentares. Quando a pessoa apresenta sobrepeso ou obesidade, também é recomendada a perda de peso.

Em ambos os casos, a pratica de atividade física deve fazer parte da rotina.

Outro cuidado importante é com o tabagismo, pois quando ele é aliado ao diabetes, aumenta em até cinco vezes o risco de um infarto.

Siga sempre as orientações do seu médico. Lembre-se que, quando não cuidada adequadamente a doença pode levar a uma série de outros problemas como a arteriosclerose, pé diabético, retinopatia diabética e alterações nas funções renais.

 

Fontes – Ministério da Saúde; Sociedade Brasileira de Diabetes; Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia; e Minha Vida (link Saúde).