Covid 19: Violência doméstica aumenta durante quarentena

Covid 19: Violência doméstica aumenta durante quarentena

Estudos apontam que os casos de violência doméstica  aumentam em períodos de estresse e preocupações prolongados, bem como diante do aumento da convivência dentro de casa. Fatores como o desemprego, que deve aumentar pela crise causada pela pandemia do Covid-19, pode desencadear um consumo excessivo de álcool, o que colabora para piorar a gravidade e a frequência da violência doméstica.

Com a quarentena, e com as medidas necessárias de isolamento forçado devido a Covid-19, houve um aumento nos de casos de violência doméstica contra mulheres em todo o mundo. Além disso, também correm risco crianças e adolescentes, vítimas de abuso e estupro por familiares ou pessoas com quem tenham vínculo afetivo.

De acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública, em São Paulo, entre os dias 20 de março e 13 de abril, foram 7933 registros de casos de violência doméstica, cerca de 20% a mais do que foi registrado em 2019, no mesmo período.

No Brasil a população feminina sofre violência a cada quatro minutos e 43% dos casos acontecem dentro de casa.

Entende-se como violência contra a mulher, qualquer ato de violência que tenham por base o gênero, seja uma agressão de natureza física, sexual ou psicológica.

Nesse período, as mulheres podem se sentir acuadas por não conseguirem deixar seu lar para buscar ajuda ou abrigo.  Porém, os canais de denuncia e acolhimento a mulheres que sofreram qualquer tipo de violência, continuam funcionando.

Se você está passando por violência doméstica, denuncie. Também é possível denunciar casos de violência ocorridas com outras pessoas, sejam próximas, até mesmo desconhecidas.

Veja alguns canais:

Disque Denúncia – 0800 770 2141

Disque 190 – Polícia Militar (24 horas)

Disque 100 – Disque Direitos Humanos (24 horas)

Disque 180 – 24 horas

Aplicativo Direitos Humanos BR – Governo Federal

CRAM  (17) 3222-2041 / 3222-2588 (segunda à sexta-feira das 08 às 17hs), ou pelo e-mail cram@riopreto.sp.gov.br

Saiba Mais

Para saber mais sobre o tema, o Grupo Cene disponibiliza a cartilha da Lei Maria da Penha, que esclarece dúvidas e traz os canais de denúncia.

Baixe o material gratuitamente no link: https://info.gcene.com/lei-maria-da-penha

Fontes: Relatório – Mulheres em Tempo de Pandemia – Think Olga; Covida-19 and Ending Violence Against Women and Girls – UM Women ; e Folha de São Paulo.