Pacientes com doenças cardíacas devem redobrar os cuidados em relação ao coronavírus

Pacientes com doenças cardíacas devem redobrar os cuidados em relação ao coronavírus

Pessoas que apresentam problemas cardiovasculares precisam redobrar os cuidados para evitar a contaminação pelo coronavírus.

Dados fornecidos pelo Colégio Americano de Cardiologia, em fevereiro de 2020, mostram que 40% dos hospitalizados com resultado positivo do Covid – 19 apresentavam alguma patologia cardiovascular ou cerebrovascular prévia.

Profissionais de saúde apontam que pessoas com problemas no coração apresentam deficiência no sistema imunológico, ou seja, diante do coronavírus correm um risco maior de evoluir para complicações mais sérias.

A orientação é para que essas pessoas sigam, de forma criteriosa as orientações de prevenção, entre elas: isolamento social, manter as mãos sempre higienizadas com água e sabão ou álcool em gel 70º, e, de forma alguma suspender o uso dos seus medicamentos sem a orientação do seu médico de confiança.

Mesmo havendo estudos sugerindo que alguns medicamentos que atuam para manter a saúde do coração possam agravar quadros de coronavírus, não se pode suspender o seu uso, sem a recomendação médica, pois a interrupção do tratamento, de forma abrupta, pode levar a risco ainda maior do que o próprio vírus.

Por outro lado, dados apontam que o Covid-19 pode atingir o coração e provocar sequelas cardiovasculares.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia, alguns pacientes com coronavírus podem apresentar:

  •   Arritmias (atingem 16% dos infectados pelo vírus): desde benignas até as mais graves;
  •   Isquemia miocárdica (afeta 10% dos doentes): angina ou infarto do miocárdio;
  •   Miocardite (7,2% dos doentes): inflamação do músculo do coração, chamado de miocárdio. As causas são muitas, desde as infecções por diversos vírus, bactérias, protozoários (da Doença de Chagas), alguns medicamentos, várias doenças autoimunes, elevado consumo de álcool, cocaína, maconha e outras drogas; e
  •   Choque (1-2% dos doentes): quando uma infecção se alastra pelo corpo rapidamente e atinge vários órgãos que vão deixando de funcionar e a pressão arterial vai caindo a níveis muito baixos, levando à morte.

 

Preserve a sua saúde e a daqueles que você ama. Fique em casa. Só procure atendimento médico em casos de sintomas como: febre maior que 37,5º; tosse e dificuldade para respirar. Não se exponha ao risco de ser infectado. Qualquer dúvida fale com o seu médico.

Fontes: Saúde; Jornal O Globo; Globo Esporte (Eu Atleta)