Não ao preconceito: apesar dos sinais que deixa na pele psoríase não é contagiosa

Não ao preconceito: apesar dos sinais que deixa na pele psoríase não é contagiosa

A psoríase é uma doença de pele crônica, ou seja, não tem cura, mas pode ser controlada, garantindo a qualidade de vida do paciente.

Embora não se saiba exatamente o que causa a psoríase, sabe-se que entre 30% e 40% dos pacientes têm histórico familiar da doença.

A psoríase não é contagiosa e tende a piorar com temperaturas mais baixas, pois é quando a pele fica mais ressecada.

Fique atento aos seguintes sintomas:

  • manchas vermelhas com escamas secas esbranquiçadas ou prateadas;
  • pequenas manchas brancas ou escuras residuais pós lesões;
  • pele ressecada e rachada, às vezes, com sangramento; e
    inchaço e rigidez nas articulações.

Todas as idades e etnias

A psoríase pode atingir homens e mulheres, de todas as idades e etnias.

Os locais mais atingidos são o couro cabeludo, cotovelos, joelhos, palmas das mãos, plantas dos pés, unhas e tronco.

Casos graves de psoríase podem estar associados à hipertensão, depressão e síndrome metabólica. É fundamental que o médico seja informado do histórico familiar e de manifestações de outras doenças.

Devido à aparência de sua pele, portadores de psoríase podem ser vítimas de comentários preconceituosos e afastamento das pessoas. Informe-se sobre a doença e ajude a evitar o isolamento do doente.

Tipos de Psoríase

São vários os tipos de psoríase, saiba mais sobre eles:

Psoríase Vulgar: lesões de tamanhos variados, delimitadas e avermelhadas, com escamas secas, aderentes, prateadas ou acinzentadas.

Psoríase Invertida: lesões mais úmidas, localizadas em áreas de dobras.

Psoríase Gutatapequenas lesões em forma de gotas, associadas a processos infecciosos. Ocorrem com maior frequência em crianças e adultos jovens.

Psoríase Eritrodérmica: lesões generalizadas em 75% do corpo, ou mais.

Ungueal: depressões puntiformes ou manchas amareladas principalmente nas unhas das mãos.

Psoríase Artropáticapode estar associada a comprometimento articular e surge de repente com dor nas pontas dos dedos das mãos e dos pés ou nas grandes articulações.

Psoríase Pustulosa: lesões com pus nos pés e nas mãos, ou espalhadas pelo corpo.

Psoríase Palmo-Plantar: lesões que aparecem como fissuras nas palmas das mãos e solas dos pés.

Tratamentos

O tratamento será indicado de acordo com o grau e tipo de psoríase.

Tratar a psoríase de forma correta é fundamental para garantir uma qualidade de vida satisfatória.

Os tratamentos mais usados são:

    • Tópico: cremes e pomadas são aplicados na pele, podem ser combinados com outras terapias ou usados isoladamente;
    • Sistêmicos: comprimidos ou injeções, em geral usados por pacientes com quadros moderados de psoríase;
    • Biológicos: injetáveis, indicados para pacientes com psoríase moderada a grave;
    • Fototerapia: expor a pele à luz ultravioleta de forma consistente e com supervisão médica. Em alguns casos é indicado o tratamento com exposição à luz ultravioleta A (PUVA)  ou ultravioleta B (banda estreita) em cabines.

Fontes: Biblioteca Virtual em Saúde / Ministério da Saúde; e Sociedade Brasileira de Dermatologia.