Valorize a vida! Reconheça os sinais e peça ajuda, ou ofereça ajuda

Valorize a vida! Reconheça os sinais e peça ajuda, ou ofereça ajuda

Setembro é o mês escolhido para combater ao suicídio. É preciso chamar a atenção para a valorização da vida.

Fique alerta para alguns sinais que geralmente são emitidos por quem está precisando de ajuda.

Usar mais álcool ou drogas, dormir muito ou pouco (especialmente se isso foi alterado sem motivo aparente), agir de modo ansioso e ter alterações extremas de humor, se sentir isolado e sozinho, não ter nenhum propósito, estar sentido uma dor insuportável, demonstrar raiva ou mesmo sentimento de vingança. E também falar frases como: vou desaparecer; queria dormir e não acordar mais; vou deixar você (s) em paz; não tem nada que possa ser feito, eu quero me matar.

Se você tem apresenta essas características, não tenha medo de pedir ajuda. Lembre-se que, mesmo que possa não parecer, sua vida é mais importante do que qualquer coisa.

Agora, se você conhece alguém que apresenta esses sinais, aproxime-se, observe atentamente e ofereça ajuda.

É fundamental que, nesse caso, se encontre um momento e local apropriado para falar sobre suicídio com essa pessoa. A abordagem precisa ser livre de qualquer julgamento, mostre-se aberto a ouvir e apoiar.

Na tentativa de ajudar, é comum cometer erros como banalizar o sofrimento do outro, usando frases do tipo: “Já passei por coisas bem piores e não me matei”. Ou ainda dar opinião, sermão e até frases de incentivo como: “Pensa positivo, você tá muito pessimista”.

Apenas ouça, apoie e incentive que a pessoa busque ajuda profissional especializada. Alguns casos podem ter grande evolução com terapia, outros necessitam de medicações, mas apenas um profissional da área vai saber o que é o indicado para cada pessoa. O serviço público oferece várias possibilidades.

Para os momentos mais críticos e de emergência, é possível acionar o CVV  – Centro de Valorização da Vida, que mantém voluntários treinados, para dar apoio via ligação gratuita ao 188, 24 horas por dia. Além disso, sua identidade é preservada.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, em 2014, 10.631 pessoas cometeram suicídio no Brasil, sendo que 80% são do gênero masculino.

Embora seja uma triste realidade, o tema segue sendo um tabu, e muitas pessoas preferem evitar falar sobre, mesmo dados oficiais apontando que, em todo o mundo, acontece um suicídio a cada 45 minutos, e mais 20 tentativas.

A OMS ressalta que, 90% dos casos poderiam ter sido evitados.

Todas as pessoas podem, em algum momento da vida, pensar em suicídio, e profissionais de saúde dizem que isso é normal, se o pensamento for pontual, aparecer e desaparecer. O que precisa de atenção é quando o suicídio começa a aparecer como uma saída, para um problema específico, e nesses casos é fundamental pedir ajuda.

 

Fontes – Ministério da Saúde e Centro de Valorização da Vida